Datasight-pesquisa-inteligência-negócios-gestão

CURSO DE FINANÇAS PESSOAIS PODE RESOLVER SEUS DESAFIOS

Posted on Posted in Finanças, Gestão, Workshops e cursos

Todos os anos, muitas pessoas prometem que vão dar um jeito em seu orçamento pessoal. As promessas vão desde controlar mais os gastos até guardar dinheiro para o futuro. Mas nem sempre as coisas acontecem conforme prometido. A Datasight Pesquisa e Inteligência de Negócios juntamente com o Conselho Regional de Economia vai te ajudar a sair dessa com o curso de finanças pessoais. Não perca essa oportunidade!

(mais…)

Datasight-Pesquisa-Inteligência-Negócios

REFIS: AUMENTAR O CAIXA DA EMPRESA TAMBÉM É RENEGOCIAR

Posted on Posted in Consultoria, Economia, Finanças, Gestão

O problema da falta de dinheiro é rotineiro para muitos micro e pequenos negócios e uma das formas de minimizar esse desafio é renegociar as dívidas da empresa, quer seja alargando o tempo de pagamento, quer seja reduzindo a taxa de juros. Uma novidade excelente das últimas semanas vem da parte do governo: o REFIS, agora, também é para o pequeno negócio.

(mais…)

Datasight-supermercado-inteligência-negócios-pesquisa

DATASIGHT E SEBRAE REALIZAM WORKSHOP PARA SUPERMERCADOS EM CAMPO GRANDE

Posted on Posted in Análise de dados, Consultoria, Economia, Estratégia, Gestão, Informação, Informação estratégica, Pesquisa, Planejamento, Workshops e cursos

Aconteceu ontem, 3 de abril, o “Workshop Mercado e Conveniência: Tendências e Estratégias para Lucrar em 2018”, realizado pelo Sebrae-MS em parceria com a Datasight Pesquisa e Inteligência de Negócios, no auditório do Sebrae em Campo Grande. O evento contou com a presença de diversos pequenos e médios empresários do setor. Hoje, o workshop acontece em Dourados, às 19h, também no auditório do Sebrae. (mais…)

POSTOS DE TRABALHO DOS SETORES ATENDIDOS PELA ABRASEL MANTÉM-SE EM QUEDA NOS PRIMEIROS MESES DE 2017

Posted on Posted in Economia, Gestão

Os setores atendidos pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL) com relação a oferta de postos de trabalho, teve saldo negativo, de 71 empregos, no último mês, sendo que para janeiro houve 118 novos empregos, uma redução, portanto, de 160,17%.

Três Lagoas teve o pior desempenho em fevereiro, sendo que este município foi o que obteve o melhor resultado na geração de empregos (3.506) em 2016.

Há uma clara mudança de trajetória: mais empregos em 2016 e menos empregos no início de 2017. Nos próximos meses, é interessante analisar como a situação estará avançando.

As funções que tiveram um maior fluxo de demissões e contratações foram as de atendente de lanchonete, auxiliar nos serviços de alimentação e cozinheiro geral, que na média, tiveram uma redução salarial muito pequena (em torno de 0,10%).

É possível verificar que as ocupações que estão com alto fluxo de demissões e contratações em fevereiro e janeiro, são as mesmas que obtiveram os dois maiores saldos negativos de empregos em 2016:  Atendente de lanchonete (-85) e Cozinheiro geral (-68). Assim, percebe-se que a redução da oferta de trabalho se concentra para essas ocupações.

inflação-pesquisa-análise-dados-Datasight

O QUE É INFLAÇÃO E COMO ANALISÁ-LA?

Posted on Posted in Economia, Finanças, Gestão

Sempre precisamos estar atentos às mudanças nos preços, variável esta, que afeta em muito os negócios. Para isso, o IBGE disponibiliza o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)*, sendo possível assim, calcular a variação percentual nos preços, ou seja, a inflação.

Para o mês de março deste ano, a variação do IPCA no Brasil, foi de 0,25%, que se comparado a março de 2016, mostra uma queda de 0,18 pontos percentuais (p.p.). Ao comparar os meses de fevereiro e janeiro de 2017, com os mesmo meses do ano anterior, nota-se também uma queda, de 0,57 p.p. e 0,89 p.p. respectivamente.

Em Campo Grande – MS, a variação no IPCA, para o mês de março, foi de 0,14%, representando uma queda de 0,29 p.p. com relação ao mês de março de 2016. Fevereiro e janeiro mantiveram também uma trajetória de queda, com 0,30 p.p. e 0,82 p.p. respectivamente, com relação aos mesmos meses, em 2016.

Os grupos com maior índice de inflação, para março/2017, em Campo Grande, foram os de Habitação (1,13%), Educação (0,57%), e Despesas pessoais (0,46%). No Brasil, mantiveram-se os dois primeiros grupos, com variação de 1,18% e 0,95%, enquanto que o terceiro foi o de Saúde e cuidados pessoais (0,69%).

Evidencia-se, com base nos dados apresentados, que está ocorrendo uma redução da taxa de inflação, fato este que está em consonância com as notícias divulgadas na mídia sobre o assunto. No entanto, essa queda na inflação é benéfica, pois isso condiz com redução nos preços e, portanto, maior consumo? Ou, está mostrando a crise enfrentada pelo país, onde o consumo está baixo, e devido a isso, os preços estão assumindo uma trajetória de queda?

Estas indagações nos indicam que, a percepção de que baixa inflação é algo bom, pois os consumidores terão maior poder de compra, e assim haverá o aquecimento da economia, deve ser deixada de lado, atentando-se ao que os dados realmente mostram, e traçar assim, as melhores estratégicas para encarar o cenário econômico atual.

Nota: * O IPCA abrange famílias com rendimentos mensais compreendidos entre 1 e 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte de rendimentos, e residentes nas áreas urbanas das regiões (IBGE, 2017).

Datasight-pesquisa-dados-negócios

COMÉRCIO VAREJISTA APRESENTA-SE COM O PIOR DESEMPENHO NO MERCADO DE TRABALHO NESTE INÍCIO DE ANO

Posted on Posted in Economia, Finanças

Atentando-se, sempre, a dinâmica do mercado de trabalho, uma análise geral sobre sua situação para o estado do Mato Grosso do Sul, propicia ao leitor ampliar as informações sobre sua região.

No último mês observou-se um saldo de 2.517 empregos formais, um crescimento de 188,98% com relação a janeiro de 2017, dos quais destaca-se os subsetores de Agricultura, silvicultura, criação de animais e extrativismo vegetal, Ensino e Comércio atacadista, com saldos de 863, 470 e 333, respectivamente.

O pior resultado é do comércio varejista, que desde o início do ano apresenta um saldo negativo de 727 postos de trabalho.

As ocupações com maior admissão para o mês de fevereiro foram os trabalhadores agropecuários em geral e vendedor de comércio varejista, que ao todo obteve-se uma média salarial de R$ 1.342,18.

A dinâmica atual de procura por profissionais capacitados, pode ser percebida ao comparar o grau de instrução dos novos postos de trabalhos com o das demissões. Trabalhadores admitidos com ensino médio completo, superior completo e incompleto tiveram um aumento de 16,22%, 31,01% e 4,94% respectivamente.

E não menos importante, para a abertura e fechamento de empresas, estima-se para o mês de março a criação de 557 empresas e extinção de 257.

Os dados apresentam que houve uma maior contratação de vendedores para o comércio varejista, mas apresentam também que este subsetor (comércio varejista), analisando o MS como um todo, ofertou menos postos de trabalho.

Há, portanto, um elevado número de contratações como também de demissões, e que o comércio varejista não está ofertando novos postos de trabalho, mas sim, diminuindo sua procura por trabalhadores.

A menor oferta de trabalho pode estar, entre outros fatores, relacionada à produtividade de profissionais mais capacitados, que conforme visto, são mais procurados pelo mercado.