Datasight-pesquisa-inteligência-negócios-estoque

APRENDA A ORGANIZAR OS DADOS DE ESTOQUE DA SUA EMPRESA

Posted on Posted in Análise de dados, Business Intelligence, Gestão, Informação estratégica, Inteligência de Negócios, Pesquisa, Tomada de decisões

Estocar produtos de menos é venda perdida, estocar produtos demais é dinheiro retido que poderia estar sendo colocado em outros projetos ou necessidades. O equilíbrio é sempre o melhor remédio. Se você não sabe como atingi-lo em sua empresa, esse artigo é para você.

(mais…)

Datasight-pesquisa-inteligência-negócios

GESTÃO DE DADOS: A IMPORTÂNCIA DOS DADOS NAS EMPRESAS

Posted on Posted in Análise de dados, Business Intelligence, Estratégia, Gestão, Negócios, Planejamento, Tomada de decisões

Trabalhar com dados não é fácil. Para aqueles que têm pouco tempo e muitas outras atividades para pensar e decidir, menos ainda. Entretanto, os dados são o que uma empresa tem de mais valioso para tomar boas decisões, aproveitar oportunidades, contornar desafios e atingir lucratividade.

(mais…)

Datasight-pesquisa-finanças-lucro

PASSO A PASSO: COMO ORGANIZAR OS DADOS FINANCEIROS DA EMPRESA

Posted on Posted in Análise de dados, Finanças, Gestão, Uncategorized

As informações financeiras são normalmente os grandes vilões dos pequenos e médios negócios. Um desafio constante e de longa data. Para facilitar a rotina diária do seu financeiro, nada melhor do que saber quais indicadores utilizar e como organizar e analisar as informações financeiras do seu negócio. Para isso, preparamos um passo a passo bem simples para você começar hoje mesmo! (mais…)

pesquisa-mercado-planejamento-negócio-Datasight

5 MANEIRAS DE FAZER PESQUISA DE MERCADO PELA INTERNET

Posted on Posted in Gestão, Pesquisa, Planejamento

É fato a importância dos gestores estarem sempre pesquisando o mercado e observando as informações. Acompanhá-las é sempre importante, pois possibilita antecipar alguns movimentos que podem impactar os negócios. Também é imprescindível para inovação, descoberta de novas oportunidades de negócio, novas tendências de consumo e para compreender o comportamento do consumidor. Para facilitar sua rotina, conheça 5 dicas para que suas pesquisas sejam mais efetivas.

(mais…)

Datasight-gestão-inteligência-de-negócios

RAMO DAY APRESENTA NOVIDADES PARA O MERCADO DE SOFTWARES DE GESTÃO

Posted on Posted in Análise de dados, banco de dados, Business Intelligence, Gestão, Ramo Sistemas, SAP

Na semana anterior aconteceu em São Paulo, o Ramo Day 2018, promovido pelo parceiro de negócios da Datasight Pesquisa e Inteligência de Negócios, Ramo Sistemas. O evento reuniu a rede de parceiros Ramo/SAP de todo o Brasil para dentre outras coisas, divulgação de uma grande novidade: uma nova modalidade de comercialização do SAP B1 muito mais acessível às empresas.

(mais…)

Inteligência de Negócios-Datasight-SAP

DATASIGHT COMEMORA 01 ANO DE PARCERIA SAP

Posted on Posted in Análise de dados, Business Intelligence, Gestão, Ramo Sistemas, SAP

A Datasight Pesquisa e Inteligência de Negócios é parceira do Ramo Sistemas para Mato Grosso Sul na comercialização do software SAP, cuja função é organizar as atividades diárias das empresas proporcionando maior controle das informações e clareza para tomada de decisões e aproveitamento de oportunidades de negócio.

(mais…)

DATASIGHT É PARCEIRA DA RAMO EM SISTEMAS DE BUSINESS INTELLIGENCE SAP

Posted on Posted in Business Intelligence, Gestão, Informação estratégica, Ramo Sistemas, SAP

A Datasight Pesquisa e Inteligência de Negócios, além de realizar pesquisas e consultorias customizadas baseadas em informações estratégicas do mercado, também é parceira no Mato Grosso do Sul da Ramo Sistemas. A Ramo tem uma vasta gama de soluções em Business Intelligence que podem facilitar o dia a dia da sua empresa na gestão de dados, aprimorando a tomada de decisões.

Para você conhecer um pouco mais da Ramo Sistemas, reproduzimos aqui um artigo do seu presidente Décio Krakauer, falando como pequenas e médias empresas podem utilizar sistemas para melhorar seus processos e serviços.

Transformação Digital: o ERP como núcleo da sua estratégia digital

Décio Krakauer, presidente da Ramo Sistemas

A transformação digital não precisa – e nem deve – ficar restrita às grandes empresas. Pequenas e médias empresas podem utilizar a tecnologia para melhorar seus processos e serviços, ganhar competitividade, facilitar inovação e gerar valor nos negócios da empresa.

Tendências como mobilidade, computação em nuvem, big data, internet das coisas e e-commerce estão mudando as relações entre consumidores e empresas. Para tudo funcionar, existe um núcleo para esse processo de mudança, que está na adoção de um sistema de ERP (Enterprise Resource Planning) como base para todas as outras tecnologias a serem adotadas pela sua empresa.

Muitas dessas tecnologias são usadas de modo combinado. Para reduzir os custos de ter um ERP, muitas empresas optam por rodar esses sistemas de gestão empresarial na nuvem. A economia gerada por essa tecnologia abre espaço no orçamento das companhias para fazer inovação digital no negócio-chave de qualquer empresa. E, principalmente, permite uma integração mais fácil e rápida desses componentes de inovação digital.

Dado este primeiro passo, fica mais fácil aproveitar as vantagens de outras tecnologias capazes de propiciar inovação. O big data vai melhorar a capacidade das empresas em analisar e mesmo prever o comportamento dos consumidores. A mobilidade vai permitir que colaboradores trabalhem de maneira remota sem perda de produtividade. Já a inteligência artificial vai permitir a automação de trabalhos repetitivos e fazer seus funcionários trabalharem em projetos que demandem criatividade.

O ERP passa por mudanças e está cada vez mais flexível e “inteligente”: com a adoção do ERP em nuvem, será fácil agregar ferramentas aos sistemas de gestão, em soluções adaptáveis ao tamanho de cada empresa. Além disso, a inteligência artificial ajudará na coleta e análise de dados, tornando mais rápida a tomada de decisões, de modo a satisfazer as necessidades do cliente. Em suma, o ERP não será apenas um repositório de informações, mas uma parte por onde passará todos os dados desse novo ecossistema digital, e mais ainda, dando sustentação para a estratégica do negócio das empresas.

Saiba mais, entre em contato conosco hoje mesmo!

 

Fale com a nossa equipe agora!​
*
*
*
*
datasight-pesquisa-inteligência-negócios-dados

CONHEÇA A DATASIGHT PESQUISA E INTELIGÊNCIA DE NEGÓCIOS E TRANSFORME SEUS DADOS EM RESULTADOS HOJE MESMO!

Posted on Posted in Análise de dados, Business Intelligence, Consultoria, Pesquisa

A Datasight existe para transformar dados em resultados. 

Nós nos esforçamos diariamente para acessar diversos dados de mercado brasileiros, transformando-os em informações estratégicas, que se traduzem em oportunidades e soluções para o seu negócio.

A Datasight produz e vende inteligência para o seu negócio.

Coletamos, analisamos e combinamos diversos dados de mercado, utilizando métodos estatísticos e econométricos, e tecnologias de informação como big data. A partir disso, construímos cenários de negócio, atuais e futuros, que ampliam as suas possibilidades de atuação no seu mercado. Nossos Datainsights ampliam o seu conhecimento de mercado e auxiliam a sua tomada de decisão.

A Datasight adiciona simplicidade às rotinas de tomada de decisão do seu negócio.

Nosso trabalho pode acontecer em três esferas:

1)    pesquisa, 2) consultoria e 3) análise de dados, 

conforme a sua necessidade.

1)    Na área de pesquisa, desenvolvemos soluções a partir de dados do mercado que são traduzidos em boletins Datainsight e enviamos periodicamente para você.

2)    Na área de consultoria, desenvolvemos soluções mais personalizadas combinando dados de mercado com dados extraídos da sua empresa, propiciando o uso inteligente das informações econômico-financeiras. Dessa forma, conseguimos desenhar soluções mais específicas para você na área de planejamento, projetos, gestão estratégica, marketing e finanças.

3)    Na área de análise de dados, desenvolvemos soluções tecnológicas personalizadas para o seu negócio para que a sua equipe possa acessar os dados da sua empresa com facilidade, realizando as análises necessárias no dia a dia.

A Datasight possui uma equipe altamente qualificada.

Somos uma empresa jovem, sediada no Brasil, com escritório matriz em Campo Grande – Mato Grosso do Sul e correspondentes em Toledo – Paraná e Santiago, no Chile.

Nossa equipe é formada por profissionais brasileiros e chilenos, especializados nas áreas de economia, projetos, tecnologia da informação e marketing com ampla experiência de mercado.

Fale com a nossa equipe agora!​
*
*
*
*

pesquisa-analise-dados-Datasight

PESQUISAR O QUE?

Posted on Posted in Análise de dados, Informação estratégica, Pesquisa, Planejamento

Já falamos em alguns textos anteriores, sobre a necessidade de realização de pesquisas, para empresas ou projetos, de tal modo a facilitar a gestão, ou mesmo, a tomada de decisão. Bom, este texto objetiva então apresentar alguns tipos de pesquisas possíveis nestes casos e dicas para que seja possível conduzir pesquisas de caráter mais simples e utilizá-las de forma adequada.

Quais pesquisas podem ser relevantes no dia a dia de um negócio ou projeto?

Pesquisas que podem orientar ações ou processos são bastante comuns. Pesquisas desta natureza podem ser por exemplo, satisfação de clientes, definição de perfis demográficos ou sócio-econômicos de públicos desejados, mensuração de ações de publicidade, mensuração de eventos informativos, erros e falhas de produção, impressão ou percepção em relação a um serviço ou produto. Esses são alguns tipos básicos de pesquisas que podem estar presentes no dia a dia dos negócios e projetos, vamos a como operacionalizá-los.

Qual a primeira etapa para realizar qualquer pesquisa?

Qualquer pesquisa que seja, deve primeiramente, conter um objetivo claro e uma etapa de planejamento, onde são definidos prazo de duração, delimitação da amostra ou dos grupos envolvidos, metodologia, formato de apresentação dos resultados, custos estimados, equipe responsável, periodicidade caso sejam necessárias várias realizações da mesma pesquisa. Feito isso, tem-se mais três grandes etapas.

A segunda etapa:

Deve ser realizada a elaboração do instrumento de coleta de informação. Comumente, será um questionário ou um roteiro de entrevista, no entanto, não é tão simples assim. Estes instrumentos são definidos de acordo com o público da pesquisa e possuem uma diversidade enorme de variações, do tipo, questionários estruturados, semi-estruturados, abertos, fechados, etc. É preciso fazer uma definição quanto a este instrumento e, posteriormente, a definição do canal possível para que este instrumento de pesquisa alcance o seu público.

A terceira etapa:

Deve ser realizado um pré teste, com uma amostra reduzida, do instrumento de coleta definido. Este pré teste deve ser cuidadosamente avaliado, quanto ao seu resultado preliminar e principalmente se o conteúdo ou questões, funcionou de forma adequada e se foi de entendimento do público. Uma questão importante, é que esta etapa deve ser feita pela equipe responsável, no sentido de conseguir analisar, o instrumento de coleta de dados de fato responde ao objetivo da pesquisa?

A quarta e última etapa:

Constitui-se na operacionalização da pesquisa, que deve conter indicadores de acompanhamento contínuos durante seu período de realização, bem como pequenos testes de desvio, que verificam se a ocorrência da pesquisa esta saindo conforme o planejado. Finalizada a coleta, é feita uma avaliação geral pela equipe responsável e posteriormente os dados são tabulados e apresentados da forma planejada anteriormente.

Este é um pequeno roteiro, pouco minucioso, mas que pode orientar uma pesquisa em sua empresa ou negócio. Caso precise do auxílio de um de nossos especialistas,ou tirar alguma dúvida, entre em contato conosco pelo contato@datasight.com.br.

Datasight-Inteligência-Negócios

UMA REVOLUÇÃO SILENCIOSA

Posted on Posted in Análise de dados, Business Intelligence, Data science, Informação estratégica, Pesquisa

Nós pouco percebemos, mas nos últimos anos, para ser mais exato nos últimos 20 anos, o mundo vem passando por uma transformação que, como predizem alguns analistas e especialistas, nos direciona para a quarta revolução mundial, a de inteligência artificial. Neste interim, a tecnologia de análise e processamento de dados, principalmente nos últimos 10 anos, se aprofundou de forma tal que, empresas e ações, a pouco inimagináveis, são nos dias atuais, ferramentas indispensáveis a vida da sociedade, cada vez em uma gama maior de atividades cotidianas e em faixas de idade diversas.

O sistema Android, o Google, o próprio Facebook, o e-commerce são formas com que os grandes players deste segmento processam informação e a convertem em negócios. A conectividade, de uma forma geral, aliada a formas cada vez mais inteligentes de organizar e aplicar dados no formato de informação, gerou uma explosão de aplicativos que visam conduzir de uma forma mais inteligente, atividades rotineiras, como tomar água, por exemplo. Temos nos tornado cada vez mais seres guiados por dados, altamente processados e velozmente aplicados em nosso dia a dia, sem que possamos sequer compreender isso as vezes.

Bom, isso não tem volta, e nem é um anúncio novo. No entanto, existem algumas tendencias que valem a pena se ter em mente, pois se este é um movimento sem volta, cabe a nós discutirmos criticamente e nos adaptarmos a ele. Nossas vidas e nossos negócios, bem como a forma com que nos organizamos, vem mudando silenciosamente, e fica a pergunta, o que você tem feito para utilizar isso a seu favor?

A primeira tendência, a ser vista com atenção, é a experiência digital do consumidor, mesmo que as preferências pela loja física ocorram. As pessoas desejam decidir por algo com base em informações dadas a elas, não somente por compradores, mas com o que podem dispor de ferramentas de contato on-line, e o que muda bastante do que já vivenciamos, são os desejos por sugestões e avaliações de usuários em tempo real, para então, basear suas decisões de compra.

As decisões econômicas são cada vez mais baseadas em ferramentas digitais. A elaboração de modelos computacionais tem alcançado novas dimensões e conduzido os analistas à decisões assistidas pelas máquinas.Isso faz com que não só sejam necessários profissionais com um nível maior de multidisciplinaridade, mas também uma economia cada vez mais interconetada e dependente de dados.

“No friction”, termo que se traduz como “não atrito”, representa a aplicação de inteligência em ações rotineiras, de maneira que elas precisam ser simplesmente administradas, pois são realizadas por aplicações digitais. Esta é recente, e já presente, o que vem mudando é que ela tem despertado o mundo para a automação de suas necessidades rotineiras, o que tem levado cada vez mais, os millenials, a serem construtores de soluções desta natureza e isso tem levado ao principal, cada vez mais a linguagem computacional tem se tornado mais acessível, prática e utilizável por quem quer que seja, sem mesmo a necessidade de uma formação específica para tal.

Essas são tendências fundamentais, que devem ser percebidas com atenção, principalmente pelos negócios. Eles levam a mudanças significativas nos mercados e nas expectativas dos consumidores, e portanto, levam as empresas a uma reação, qual será a do seu negócio? Os dados estão a solta, cabe a nós, a partir destas ferramentas compreendê-los e utilizá-los a nosso favor.

Esperamos que tenham gostado, em breve apresentaremos novas tendências que o mercado tem apresentado.

Análise de dados-indicadores de desempenho-Datasight

INDICADORES DE DESEMPENHO

Posted on Posted in Análise de dados, Estratégia, Planejamento

 

Muitas vezes olhando na internet e no noticiário nos deparamos com empresas que demonstram estrondoso sucesso com relação ao atendimento ao seu público alvo. Nós que olhamos de fora, nos perguntamos inúmeras vezes duas coisas quando nos deparamos com esta situação: a primeira é como esta empresa fez isso? A segunda é sempre, a mais desconfiada e invejosa, será mesmo que ela obteve estes resultados? Os empresários normalmente quando entrevistados tem um número de bolso para falar sobre o seus resultados, o famoso “30%”, de aumento no faturamento, de aumento das vendas, de crescimento de mercado, parece muito mais um jargão de quem na verdade não sabe ao certo o valor real a ser apresentado. Obviamente, isso é muito comum, mas felizmente não é uma generalidade, ou seja, temos muitas empresas que alcançam excelentes resultados e certamente utilizam dois passos importantes na jornada do sucesso: objetivos claros e  resultados bem medidos, e é sobre eles que vamos falar um pouco mais hoje.

Traçando objetivos claros:

Primeiramente, é difícil alcançar o sucesso desejado sem saber qual é de fato o “sucesso desejado”! Assim, traçar um objetivo claro e coerente, que direcione ao tipo de sucesso esperado é fundamental. Para isso, conhecer profundamente os números internos da empresa e possuir uma boa conjuntura do mercado são ações chave para se estabeler um objetivo possível e direcionado ao caminho esperado.

Que tipo de números devo conhecer?

Diversos, mas principalmente aquilo que chamamos de indicadores de desempenho, ou seja, números que refletem o potêncial da empresa ao longo do tempo. Essses indicadores são construídos geralmente por cálculos não tão complexos, de acordo com a característica de negócio da empresa, e comumente são oriundos dos registros de dados da empresa, como por exemplo, o balanço patrimônial, demonstrativo de resultados do exercício, contas a pagar, contas a receber, histórico de vendas e histórico de compras, dentre outros. Esses registros, quanto mais apurados e detalhados, fornecem melhores indicadores de desempenho para a gestão.

Quais indicadores devo utilizar?

Existem vários tipos de indicadores e eles podem variar de acordo com o tipo de objetivo a ser traçado, com o mercado em que a empresa encontra-se posicionado, porém, existem alguns indicadores básicos que representam a viabilização do negócio ao longo do tempo e sua capacidade de avanço, são eles: receitas merecidas, ponto de equilíbrio, necessidade ou disponibilidade de capital de giro, ciclo operacional, estoque total e estoque mínimo, preço de venda, além de outros para alguns casos mais complexos, onde as empresas possuem uma vinculação ao mercado financeiro. No entanto, sem dados adequados esses indicadores que são bastante simples de serem calculados no dia a dia, passam a ser extremamente difíceis de serem construídos, e então, os velhos “30%” serão a saída para o seu planejamento de objetivos.

A empresa fala!

Normalmente não é preciso realizar um levantamento muito detalhado de dados para observar diretamente a situação da empresa e indicar objetivos muito claros, do tipo, necessidade de aumento das vendas, necessidade de redução de custos, possibilidade de expansão ou estagnação. Assim, costumamos dizes, que a empresa fala por meio de seus números. Cabe ao gestor possuir “uma escuta sensível”, ou seja, indicadores e dados apurados. Isso aliado a um conhecimento do mercado, que deve se dar por uma boa pesquisa e principalmente pelo monitoramento de alguns números do mercado como emprego, renda disponível, crescimento da economia, inflação, crescimento do setor, são receitas garantidas para o sucesso. O grande problema é que normalmente isso não acontece, não desta forma.

Esperamos ter contribuído um pouco mais para o seu conhecimento em relação a utilização de dados para a viabilização de negócios. Entendemos que este tema necessita de um aprofundamento maior, que será apresentado em novos textos, aguardem.

Deixe seu comentário e a sua curtida ou, caso desejar entre em contato conosco pelo e-mail: contato@datasight.com.br.

Até logo!

Equipe Datasight

business intelligence - Datasight

DESMISTIFICANDO O BUSINESS INTELLIGENCE

Posted on Posted in Análise de dados, Business Intelligence, Data science

A tradução literal de Business Intelligence, é “Inteligência do Negócio”, no entanto, esta simples tradução do termo é bastante ampla para a compreensão de toda a dimensão de atividades em que ele se desdobra.

O BI, como é normalmente conhecido, trata-se de uma tecnologia, que encontra-se na “crista da onda” em termos de gestão de dados e programação computacional. Esta tecnologia tem permitido as empresas um novo olhar e novas práticas com relação a gestão de dados, ganhando assim centralidade na tomada de decisão em ambientes de negócios complexos.

De que forma o BI tem contribuido para o dia a dia dos negócios?

Esta ferramenta contribui principalmente na tomada de decisão, fornecendo possibilidades ao gestor de ter fundamentos reais neste processo. Isso ocorre basicamente utilizando dados dos sistemas de informação armazenados pela empresa de forma organizada, construindo informações importantes para a decisão, que chamam-se estratégicas. (Veja mais em nosso artigo sobre informações estratégicas!)

Com isso, os usuários do BI, principalmente os decisores, são empoderados da capacidade analítica de uma situação real de compras, vendas, RH, dentre outras, para a tomada de decisão.

O BI é uma ferramenta para que tipo de negócios?

Todos. O BI é uma ferramenta democrática, a medida que pode ser elaborado para o tamanho e necessidades de informações estratégicas de cada empresa. Além disso, já existem diversas plataformas open source (de código aberto), que permitem elaborar plataformas de forma menos custosa.

Assim, os pequenos negócios que possuam dados armazenados, e não julgam no momento ser importante ou oportuno analisá-los, é o momento de rever esta posição, pois o mercado e a tecnologia avançam a cada dia e acirram cada vez mais a competição entre as empresas e incertezas do ambiente de negócios.

Que tipo de dados são necessários para a implantação de um BI em meu negócio?

Nos dias atuais, com a automação de sistemas nos negócios, praticamente todos os processos de uma empresa são armazenados em forma de dados. O cadastro de clientes, o registro de saídas de mercadorias, os registros de pagamentos, os registros de recebimentos, a entrada de mercadorias, enfim, um pequeno negócio gera uma infinidade de dados, e são estes dados que são convertidos em informações estratégicas, de acordo com a necessidade do negócio. Por exemplo, como decidir sobre o volume de compras de determinado produto em determinada época do ano com base no histórico do volume de vendas? Seria preciso, observar o valor do item, preferencialmente com as suas variações de preço até aquele período, e as variações do nível de vendas deste item. Este é um tipo simples de informação estratégica, que uma plataforma de BI pode dar em poucos segundos, e em visualizações gráficas, por exemplo.

Qual o custo de um projeto de BI?

Baixo. Principalmente em relação ao seu custo benefício. No entanto ele varia de acordo com o volume de perguntas chaves a serem respondidas pelo BI. Os custos de implantação de uma plataforma de BI, podem então variar de até R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para um pequeno negócio, a R$ 100.000,00 (cem mil reais) para o mesmo pequeno negócio com um volume maior de dados e perguntas a serem respondidas. É importante porém, certificar de que a empresa fornecedora do serviço de elaboração de uma plataforma como esta, tenha seriedade, seja confiável e possua experiência, pois dados são uma informação valiosa.

Esperamos que tenham gostado do nosso novo conteúdo. Curtam, compartilhem nas redes sociais e nos deêm sugestões de novos assuntos pelo contato@datasigh.com.br.

Aguardamos por vocês!

Um abraço da equipe Datasight.

análise-de-dados-Datasight

COMO POSSO UTILIZAR MEUS DADOS DE FORMA ADEQUADA?

Posted on Posted in Análise de dados, banco de dados, Business Intelligence, Data science, Estratégia, Tomada de decisões

Primeiramente definamos o que é essa tal “forma adequada”. Dados são gerados a todo o momento, de diversos tipos, em quantidades diversas, principalmente em uma empresa, que é um ambiente muito dinâmico. Vendas diárias, compras diárias, transferências de mercadorias e recursos, demissões, realocação de pessoal, produção. São tantas ocorrências gerando dados que as vezes é difícil até de notar esses dados sendo gerados e armazenados diariamente em um sistema de gestão. Quer saber, esse é um risco! Quando normalmente surge a pergunta “utilizar dados de forma adequada” os gestores e empresários estão falando justamente do processo contrário ao simples armazenamento, estão falando então da organização, análise, interpretação e apresentação destes dados de forma racionalizada.

Imagine rapidamente uma empresa de pequeno porte, armazenando seus dados de vendas diariamente e pense que esta empresa já é uma empresa consolidada no mercado, pois já está em operação a 20 anos. Fazendo rapidamente esta conta, supondo cerca de 300 registros diariamente, multiplicados por cerca de 260 dias úteis em um ano (aproximação), multiplicados por 20 anos de operação, bom teríamos um singelo número de 1.596.000 registros, e o mais intrigante é, caso fosse feita a seguinte pergunta para o proprietário desta empresa: qual produto foi mais vendido nestes 20 anos? Certamente ele não conseguirá responder a esta pergunta, e em muitos casos nem mesmo o sistema de gestão.

Muitos podem dizer que isso acontece pois é um exemplo de um pequeno negócio. Bom, a esses respondemos que essa não é uma realidade restrita a pequenos negócios, e muito ao contrário disso, é uma verdade disseminada em grandes instituições, no poder público e também em grandes empresas da iniciativa privada, que inclusive geram naturalmente uma quantidade muito superior de dados a esta que revelamos em nosso exemplo, e em muitos casos, nem se dão conta por possuírem processos desajustados e sistemas mais ainda. Estamos acostumados a lembrar dos “benditos dados” somente no momento em que um problema acontece, ou que uma crise se aproxima.

Por estes e outros motivos ainda mais profundos criamos uma lista com os 5 principais motivos para que você passe a pensar em possuir uma plataforma de BI dentro da sua empresa. Uma plataforma de BI, se ocupa justamente em fazer a gestão de grandes quantidades de dados e traduzir estes dados em informações pertinentes ao dia a dia do seu negócio, possibilitando assim, uma gestão mais adequada e em tempo real, além de uma tomada de decisão mais assertiva.

 

Está preparado? Pois bem, lá vão os 5 principais motivos para a sua empresa possuir uma plataforma de BI:

  1. Visualizar detalhes e comportamentos importantes do seu negócio. (Veja nosso artigo “Oque eu faço agora?”)
  2. Empoderar sua equipe de capacidade de analisar estrategicamente sua operação.
  3. Analisar a inserção do seu negócio em cenários futuros.
  4. É acessível e custa muito menos que gerir a sua empresa sem informações adequadas.
  5. Acompanhar a sua empresa a distância em tempo real.

Esperamos ter contribuído com o texto, caso queira saber um pouco mais, tenha dúvidas ou sugestões entre em contato conosco pelo e-mail contato@datasight.com.br

Fique de olho nos dados, eles podem mudar os rumos do seu negócio.

Um grande abraço, da equipe Datasight!

consultoria-planejamento-Datasight

O QUE EU FAÇO AGORA?

Posted on 1 CommentPosted in Consultoria, Estratégia, Finanças, Gestão, Negócios, Planejamento

Esta é uma pergunta muito recorrente no meio empresarial. A quantidade e a intensidade de ocorrência desse questionamento depende muitas vezes do porte da empresa, da sua maturidade de gestão, do momento da economia e principalmente da forma e do preparo com que os proprietários ou gestores conduzem a empresa. Quando nos referimos a preparo, não falamos simplesmente em formação acadêmica ou anos de estudo, nos referimos habilidades práticas e fundamentalmente compreensão do negócio.

É exatamente neste ponto que gostaríamos de mergulhar mais profundamente, a fim de buscar as raízes que levam a este recorrente questionamento. É muito comum, os gestores ou proprietários de um negócio se depararem com problemas como a falta de engajamento da equipe, balanços no vermelho, vendas abaixo das metas, baixa produtividade, custos elevados, baixas margens de lucro … seria possível elencar outros diversos pontos. Nesses momentos, normalmente surgem uma série de justificativas, do tipo, “a economia vai mal”,” os concorrentes são desleais”, “o fornecedor elevou os preços”, enfim, é criado um cenário ainda mais assustador para justificar as ações não realizadas.

Justamente ai surge o momento “nós sempre fizemos assim” e o questionamento “o que eu faço agora?”, o primeiro é exatamente um choque de realidade, onde o gestor ou proprietário sente que existe algo de errado com o seu negócio, e o segundo, bom, este é um pleno vazio de atitude com relação aos próximos passos da empresa diante do problema e do cenário ainda mais sombrio que acabou de se construir. Normalmente ai as empresas tendem a tomar dois diferentes rumos, o primeiro, é buscar reverter a situação, o segundo, agarrar-se nela com toda a força e aproveitar uma queda meteórica do negócio, da autoestima e sonhos dos proprietários e gestores.

A este momento decisivo no futuro do negócio gostaria de dar o nome de ponto de inflexão. O ponto de inflexão é um conceito matemático, que revela o momento exato de mudança de direção da trajetória descrita por uma variável até aquele momento, notem a semelhança com a realidade empresarial descrita. O que revela o quão positiva ou negativa será a nova trajetória é na matemática a derivada ou reta tangente ao ponto de inflexição, e os matemáticos que nos perdoem por esta metáfora, mas na realidade empresarial os fatores que tangenciam uma atitude diferenciada neste momento são justamente a compreensão estratégica do negócio e habilidades práticas de ação sobre as partes envolvidas, equipe, clientes, fornecedores e mercados.

Pois bem, aqui chegamos ao momento de dizer que existe uma luz no fim deste túnel, que não leve apenas para o fundo dele. A compreensão do negócio e as habilidades de agir de um empresário estão intimamente relacionadas com a sua natural capacidade de observar dados e gerar estes mesmos dados no que nós chamamos de informação estratégica. Essa informação pode ser de natureza muito complexa ou mesmo muito simples, mas elas empoderam gestores e empresários a tomar as melhores decisões em momentos difíceis, principalmente a saber quais ajustes finos a serem realizados nestes mesmos momentos. E pasmem, na maioria das vezes essas informações estão diante dos olhos de muitos empresários e são desperdiçadas diáriamente.

Bem, caso você tenha chegado a este ponto do texto, imagino que esteja esperando uma receita de bolo explicando como encontrar essas informações. Lamento dizer, mas essa receita não existe! Porém um bom passo em um momento como este é procurar uma visão externa do negócio, preferencialmente, que esteja técnicamente preparada para compreender detalhes que naturalmente passariam despercebidos. Além disso, manter-se informado sobre o mercado, acompanhar o comportamento de clientes de forma próxima, possuir controles gerenciais e principalmente assumir uma postura de gerenciamento estratégico do negócio, ou seja, não somente focado na operação são boas dicas para auxiliar neste processo.

Fique atento, conheça o ponto de inflexão do seu negócio e tome a melhor decisão!

Um forte abraço da equipe Datasight.

Para dívidas, sugestões e críticas  entre em contato pelo nosso e-mail contato@datasight.com.br, será um prazer para nós receber o seu contato.