Datasight-Pesquisa-Inteligência-Negócios

REFIS: AUMENTAR O CAIXA DA EMPRESA TAMBÉM É RENEGOCIAR

Posted on Posted in Consultoria, Economia, Finanças, Gestão

O problema da falta de dinheiro é rotineiro para muitos micro e pequenos negócios e uma das formas de minimizar esse desafio é renegociar as dívidas da empresa, quer seja alargando o tempo de pagamento, quer seja reduzindo a taxa de juros. Uma novidade excelente das últimas semanas vem da parte do governo: o REFIS, agora, também é para o pequeno negócio.

(mais…)

Datasight-supermercado-inteligência-negócios-pesquisa

DATASIGHT E SEBRAE REALIZAM WORKSHOP PARA SUPERMERCADOS EM CAMPO GRANDE

Posted on Posted in Análise de dados, Consultoria, Economia, Estratégia, Gestão, Informação, Informação estratégica, Pesquisa, Planejamento, Workshops e cursos

Aconteceu ontem, 3 de abril, o “Workshop Mercado e Conveniência: Tendências e Estratégias para Lucrar em 2018”, realizado pelo Sebrae-MS em parceria com a Datasight Pesquisa e Inteligência de Negócios, no auditório do Sebrae em Campo Grande. O evento contou com a presença de diversos pequenos e médios empresários do setor. Hoje, o workshop acontece em Dourados, às 19h, também no auditório do Sebrae. (mais…)

POSTOS DE TRABALHO DOS SETORES ATENDIDOS PELA ABRASEL MANTÉM-SE EM QUEDA NOS PRIMEIROS MESES DE 2017

Posted on Posted in Economia, Gestão

Os setores atendidos pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL) com relação a oferta de postos de trabalho, teve saldo negativo, de 71 empregos, no último mês, sendo que para janeiro houve 118 novos empregos, uma redução, portanto, de 160,17%.

Três Lagoas teve o pior desempenho em fevereiro, sendo que este município foi o que obteve o melhor resultado na geração de empregos (3.506) em 2016.

Há uma clara mudança de trajetória: mais empregos em 2016 e menos empregos no início de 2017. Nos próximos meses, é interessante analisar como a situação estará avançando.

As funções que tiveram um maior fluxo de demissões e contratações foram as de atendente de lanchonete, auxiliar nos serviços de alimentação e cozinheiro geral, que na média, tiveram uma redução salarial muito pequena (em torno de 0,10%).

É possível verificar que as ocupações que estão com alto fluxo de demissões e contratações em fevereiro e janeiro, são as mesmas que obtiveram os dois maiores saldos negativos de empregos em 2016:  Atendente de lanchonete (-85) e Cozinheiro geral (-68). Assim, percebe-se que a redução da oferta de trabalho se concentra para essas ocupações.

inflação-pesquisa-análise-dados-Datasight

O QUE É INFLAÇÃO E COMO ANALISÁ-LA?

Posted on Posted in Economia, Finanças, Gestão

Sempre precisamos estar atentos às mudanças nos preços, variável esta, que afeta em muito os negócios. Para isso, o IBGE disponibiliza o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)*, sendo possível assim, calcular a variação percentual nos preços, ou seja, a inflação.

Para o mês de março deste ano, a variação do IPCA no Brasil, foi de 0,25%, que se comparado a março de 2016, mostra uma queda de 0,18 pontos percentuais (p.p.). Ao comparar os meses de fevereiro e janeiro de 2017, com os mesmo meses do ano anterior, nota-se também uma queda, de 0,57 p.p. e 0,89 p.p. respectivamente.

Em Campo Grande – MS, a variação no IPCA, para o mês de março, foi de 0,14%, representando uma queda de 0,29 p.p. com relação ao mês de março de 2016. Fevereiro e janeiro mantiveram também uma trajetória de queda, com 0,30 p.p. e 0,82 p.p. respectivamente, com relação aos mesmos meses, em 2016.

Os grupos com maior índice de inflação, para março/2017, em Campo Grande, foram os de Habitação (1,13%), Educação (0,57%), e Despesas pessoais (0,46%). No Brasil, mantiveram-se os dois primeiros grupos, com variação de 1,18% e 0,95%, enquanto que o terceiro foi o de Saúde e cuidados pessoais (0,69%).

Evidencia-se, com base nos dados apresentados, que está ocorrendo uma redução da taxa de inflação, fato este que está em consonância com as notícias divulgadas na mídia sobre o assunto. No entanto, essa queda na inflação é benéfica, pois isso condiz com redução nos preços e, portanto, maior consumo? Ou, está mostrando a crise enfrentada pelo país, onde o consumo está baixo, e devido a isso, os preços estão assumindo uma trajetória de queda?

Estas indagações nos indicam que, a percepção de que baixa inflação é algo bom, pois os consumidores terão maior poder de compra, e assim haverá o aquecimento da economia, deve ser deixada de lado, atentando-se ao que os dados realmente mostram, e traçar assim, as melhores estratégicas para encarar o cenário econômico atual.

Nota: * O IPCA abrange famílias com rendimentos mensais compreendidos entre 1 e 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte de rendimentos, e residentes nas áreas urbanas das regiões (IBGE, 2017).

Datasight-pesquisa-dados-negócios

COMÉRCIO VAREJISTA APRESENTA-SE COM O PIOR DESEMPENHO NO MERCADO DE TRABALHO NESTE INÍCIO DE ANO

Posted on Posted in Economia, Finanças

Atentando-se, sempre, a dinâmica do mercado de trabalho, uma análise geral sobre sua situação para o estado do Mato Grosso do Sul, propicia ao leitor ampliar as informações sobre sua região.

No último mês observou-se um saldo de 2.517 empregos formais, um crescimento de 188,98% com relação a janeiro de 2017, dos quais destaca-se os subsetores de Agricultura, silvicultura, criação de animais e extrativismo vegetal, Ensino e Comércio atacadista, com saldos de 863, 470 e 333, respectivamente.

O pior resultado é do comércio varejista, que desde o início do ano apresenta um saldo negativo de 727 postos de trabalho.

As ocupações com maior admissão para o mês de fevereiro foram os trabalhadores agropecuários em geral e vendedor de comércio varejista, que ao todo obteve-se uma média salarial de R$ 1.342,18.

A dinâmica atual de procura por profissionais capacitados, pode ser percebida ao comparar o grau de instrução dos novos postos de trabalhos com o das demissões. Trabalhadores admitidos com ensino médio completo, superior completo e incompleto tiveram um aumento de 16,22%, 31,01% e 4,94% respectivamente.

E não menos importante, para a abertura e fechamento de empresas, estima-se para o mês de março a criação de 557 empresas e extinção de 257.

Os dados apresentam que houve uma maior contratação de vendedores para o comércio varejista, mas apresentam também que este subsetor (comércio varejista), analisando o MS como um todo, ofertou menos postos de trabalho.

Há, portanto, um elevado número de contratações como também de demissões, e que o comércio varejista não está ofertando novos postos de trabalho, mas sim, diminuindo sua procura por trabalhadores.

A menor oferta de trabalho pode estar, entre outros fatores, relacionada à produtividade de profissionais mais capacitados, que conforme visto, são mais procurados pelo mercado.

CRISE, CRISE, CRISE…

Posted on Posted in Economia, Finanças, Gestão, Planejamento

A todo o tempo, em todas as bocas, em todas as críticas. O que se ouviu no ano que passou foi a palavra crise. Repetiu-se tanto o termo, inclusive nos últimos dois ou três anos, não só em 2016, que a impressão que se tem é de que adentramos em uma treva sem saída, do qual nem a origem se tem mais notícias, quanto menos, se haverá um final que não seja a própria crise. Há os que ressuscitem Marx, os que dão receita, os que gritam por seus interesses, os que choram de fome, os que discursam sobre nada, os que procuram alguém para culpar e os que fazem trapalhadas no poder. Em meio a tudo isso, todos que se acreditam enquanto nação brasileira, tentam se manter com o mínimo de sanidade, se é que isso seja possível.

No entanto, não se observa neste meio, um grito de esperança que conduza alguns olhares a uma luz. Nós da Datasight, não acreditamos que seja possível, em meio a todos estes zumbis da CRISE, que não haja um só pingo de protagonismo, de um povo que tome para si a responsabilidade de mudar tudo, isso por si próprio, em pequenas ações que seja. Acreditamos no protagonismo, em pessoas que tomam a frente de suas vidas e a conduzem de forma consciente à prosperidade, independente de tudo que a cerca.

Por este motivo, deixamos este texto, como uma forma de repúdio a este discurso prolixo, que se instala por todo canto, sobre CRISE. Estamos aqui, pois acreditamos que enquanto estes muitos insistem em retransmitir esta mensagem de descrença, em si mesmos, existem outros tantos que podem ser um grito de esperança, e esperamos, que ao ler este texto, se você assim se sente, que se levante e assuma a sua posição de protagonista, dando de vez uma resposta a desesperança que se instalou neste país.

Nossa equipe se recusa a não ter esperança de que dias melhores virão. Nós faremos o que for possível em nosso dia a dia de trabalho, analisando dados e levando as soluções mais eficientes que pudermos àqueles que desejam fazer de cada dia, um dia melhor e mais assertivo em suas ações, negócios, projetos ou carreira. Se você também acredita que o melhor de si, se colocado em prática pode ajudar a mudar a sua realidade, do seu negócio e dos que o cercam, divulgue este texto e deixe palavras de apoio em suas redes sociais, distribua sorrisos e palavra de otimismo e inspire também outros a se envolverem neste clima positivo, de esperança.

Um abraço fraterno de toda a equipe Datasight!

#pordiasmelhores

#protagonismo

#vailáefaz

finanças-planejamento-Datasight-dinheiro-orçamento

NOVO ANO, NOVOS CUSTOS

Posted on Posted in Consultoria, Economia, Finanças, Gestão

Uma boa maneira de começar um novo ano, no seu negócio ou projeto, é fazendo uma boa revisão dos custos de operação do mesmo. Olhando para os custos é possível ter um boa noção de como reorganizar alguns processos, que podem na verdade estar sendo pouco eficientes, no sentido dos custos, gerando altos custos e construindo resultados pouco relevantes. Desta maneira, uma excelente prática, para este ínicio de ano, é a reformulação do orçamento ou mesmo a construção de um orçamento para o ano, ou para um horizonte maior.

Você deve então estar se perguntando como contruir um orçamento? Ou mesmo, o que de fato é um orçamento? Basicamente o orçamento é uma estimativa detalhada dos custos e possíveis despesas para um determinado período de tempo. Ele pode ser organizado a partir das atividades a serem desempenhadas, obedecendo, portanto, um cronograma físico-financeiro, ou mesmo, a partir da estrutura de rúbricas e centros de custos. Como etapa inicial vale analisar anos anteriores, se existiram ações semelhantes ou não, ou mesmo o quanto foi gasto em cada rúbrica, de forma a obter um parâmetro para a realização do orçamento atual.

Uma segunda e importante etapa, se constitui na reunião das partes envolvidas (colaboradores e fornecedores) de forma a buscar obter o quanto realmente se pode fazer de novo, manter o que já é realizado, e principalmente, saber as condições de mercado (preço, prazo de fornecimento, quantidades mínimas, etc) para a relação com os fornecedores neste novo ano que se inicia. É recomendável que esta etapa ocorra em duas partes, conforme a sequência apresentada.

Feitas estas duas primeiras partes, é momento de imergir com a sua equipe no planejamento do orçamento. Isso deve envolver toda a controladoria, finanças, tesouraria, caixa, e a equipe de execução ou vendas, de modo que um olhar participativo garanta o máximo de possibilidades inclusas num primeiro momento, que devem posteriormente serem refinadas a partir de uma análise estratégica, baseada em dados do seu sistema de gestão ou dos controles. Ao final desta etapa, espera-se que seja possível visualizar um esboço das ações ou rúbricas e dos montantes desejáveis de gastos para cada uma delas, divididos em custos e despesas.

Finalmente é hora de validar a possibilidade de realização, pactuar com fornecedores, parceiros e equipe e colocar o orçamento em prática, controlando rigorosamente para que seja possível, ao fim do período, observar o rigor de cumprimento do orçamento, os resultados alcançados, e os ganhos em termos de economicidade ou despesas desnecessárias.

Pense no seu orçamento, se precisar de ajuda, entre em contato pelo endereço contato@datasight.com.br ou em nossa fanpage: https://www.facebook.com/datasight.

Planejamento-Consultoria-mercado-Datasight

NOVOS PRODUTOS E NOVOS MERCADOS

Posted on Posted in Consultoria, Economia, Estratégia, Gestão, Mercado, Negócios, Planejamento

 

Quando uma empresa deseja expandir é comum o planejamento se direcionar para a escolha de determinados produtos que liderarão a expansão e para mercados promissores onde esta possa ocorrer. Este é um momento e uma escolha decisiva neste processo, pois com o produto errado, no mercado errado, dificilmente uma excelente campanha de publicidade vá salvar esta expansão do fracasso. Hoje, de algumas sugestões para contribuir na escolha mais adequada de produto e mercado, de forma a contribuir com parte deste complexo processo que é a expansão.

Qual o melhor mercado?

É bastante incomum, principalmente nas pequenas empresas, que se faça este questionamento. Os gestores costumam compreender o seu mercado de forma uniforme e genérica, por exemplo: uma empresa que vende rolamentos para máquinas pode entender como seu mercado proprietários de máquinas que utilizam rolamentos em seu funcionamento. Porém, esta é uma descrição genérica, que possui muitas importantes informações implícitas, com por exemplo, onde estão localizados estes proprietários? Qual tipo de uso fazem com os rolamentos adquiridos? Compram somente rolamentos? Essas três perguntas básicas, poderiam revelar alguns padrões importantes em relação ao público consumidor e ao comportamento de parte do seu mercado. Parte? Como assim? Simples, e o seu fornecedor, ou melhor fornecedores? Eles não são parte do seu mercado também? Saber estas mesmas informações do seus fornecedores também pode ampliar a sua compreensão de mercado. Assim, uma percepção mais ampla do mercado, como sendo todo o ambiente onde se realizam as transações para que o seu produto final chegue até seu cliente, é fundamental para uma escolha desta natureza.

Qual o melhor produto?

A escolha do produto ideal para liderar a expansão deve seguir duas regras básicas de decisão, normalmente, primeiro o produto que tem a melhor resposta em termos de retorno de vendas costuma ser o preferido, e aquele que possui ampla aceitação no seu mercado direto, também. Esta é uma regra de escolha plausível, porém, baseada em certo censo comum sobre a situação. Aqui vão algumas importantes dicas, primeiramente, uma pesquisa com relação as preferências do consumidor é o primeiro passo para uma boa compreensão desta escolha.

Em segundo lugar, estudar o mercado e os mecanismos de contato com o público alvo e com novos mercados potenciais, como o de seus fornecedores por exemplo pode ser uma excelente fonte de novas estratégias. O terceiro passo se constitui justamente na formulação de uma estratégia baseado no conhecimento adquirido pelas pesquisas, incluindo a campanha publicitária. Por fim é importante determinar uma fase de testes, com prazos e metas bem definidos, de modo que seja possível medir a aderência do produto.

Não é simples conduzir um processo de expansão, no entanto, alguns passos são fundamentais primeiramente bons dados e uma pesquisa consistente em relação ao mercado. Uma percepção ampliada com relação ao mercado e conhecimento do público alvo são também fundamentais para a condução deste processo. Outro fator bastante importante trata-se da prototipagem, processo muito bem conduzido atualmente pelas startups, e atualmente utilizado nos novos métodos de planejamento estratégico. Esta etapa pode gerar um análise ampliada e rápida em relação ao produto no mercado e situações possíveis de melhoria, tudo isso com baixo custo e de forma rápida.

Esperamos ter contribuído um pouco mais sobre o seu conhecimento em relação a este tema. Novos aprofundamentos serão feitos em novos textos sobre assuntos específicos aqui tratados. Curta e comente nossos conteúdos, caso tenha dúvidas entre em contato conosco pelo e-mail contato@datasight.com.br.

Até breve!

Equipe Datasight

Posicionamento-estratégico-Datasight

UM OLHO NO PEIXE E O OUTRO NO GATO

Posted on Posted in Economia, Posicionamento de mercado, Posicionamento estratégico

Esta é uma expressão popular muito comum e engraçada, a certa medida. Costumeiramente utilizada para expressar a necessidade de atenção a um acontecimento, “o gato”, dada a ocorrência de um evento, “o peixe”, indicando assim a necessidade de um panorama de visão e a constância de atenção. Parece um ditado tão corriqueiro, que muitas vezes o citamos de forma despercebida, sem notar o quanto aplicável é para situações reais, inclusive no dia a dia dos negócios. Neste sentido, sem abusar da coloquialidade, mas apenas da leveza, gostaríamos de levá-los a uma breve reflexão sobre a observação de mercados e sua fundamental importância na rotina de negócios, e quando falamos de negócio, entenda-se projetos, empresas, investimentos, carreiras, pessoas, etc.

Primeiramente, pensemos sobre o “peixe”. O peixe, ilustra de certa maneira aquela figura despreocupada, que nada em seu pequeno aquário de águas calmas e permanece observando os acontecimentos ao seu redor pela transparência do seu aquário até que algo se aproxime o suficiênte para deixá-lo agitado. O “gato” é então aquele agente sorrateiro, que caminha levemente perseguindo o objetivo de se alimentar do peixe. Observa tudo atentamente, a espera de oportunidades reais de cumprir o seu objetivo e sempre que percebe uma brecha se lança em uma tentativa de alcançá-lo, de forma instintiva. Em certas tentativas obtém exito, em outras entretanto, somente o instinto não é suficiente para conquistar o alimento. Por fim, temos aquele sujeito que “esta de olho”, analisando cuidadosamente os movimentos do “gato”, e atentando-se aos sinais de calmaria e perturbação do “peixe”, com o intuito de manter ambos operando em suas atividades normais, sem tantos atritos.

Com um conceito simples, de mercado, como ambiente onde variados agentes econômicos interagem e geram suas relações de transação e regulação econômica, leva nos, guardadas as devidas proporções de simplificação do nosso ditado, a refletir também sobre os mercados e seus agentes. É óbvio que um mercado é algo bem mais complexo! No entanto, o exemplo ilustra claramente o princípio básico da Teoria dos Jogos¹ aplicada a estratégia de mercados (ver autores)*, onde os resultados desta situação de interação não dependem somente da chance de ocorrência de cada um dos eventos (o gato comer o peixe, o peixe se manter vivo e quem esta de olho manter a situação mediada), mas principalmente, da habilidade de cada agente em compreender o mercado e se antecipar aos fatos. O que nos diz muito a respeito da necessidade de compreender os movimentos dos agentes, os impactos desses movimentos no mercado e mais especificamente em seu negócio.

Fica aqui nossa pergunta: Qual a sua posição no seu mercado? E o que você tem feito para se antecipar aos movimentos deste mercado? Estamos em tempos em que o cuidado com detalhes como esse fazem toda a diferença entre o sucesso e o fracasso de um empreendimento, plano ou projeto. Tomando o exemplo de empresas, ainda é muito natural, que empresários adentrem em um mercado, muitas vezes sem o conhecimento suficiente com relação aos seus movimentos, agentes e fundamentalmente, sem estratégias consistentes para que possa “navegar nestes novos mares”**. Fica então aqui, nossa reflexão sobre a importância fundamental em se manter o olho no mercado. Analise o maior número de informações, dados e também os modelos de negócios*** e estratégias adequadas. Isso proporcionará que seu negócio nade em águas limpas e novas, além de gerar interações mais positivas com o mercado!

Existem excelentes fontes de informação disponíveis. Além da possibilidade da realização de estudos específicos para compreensão e avaliação das estratégias e modelos de negócios mais recomendados para prática em determinados mercados.

Fique com um olho no seu negócio e o outro no seu mercado!

Um abraço fraterno da equipe Datasight!

Até o nosso próximo encontro. Deixe sua sugestão ou entre em contato pelo e-mail contato@datasight.com.br.

Desta vez deixamos algumas sugestões de leitura e duas notas aos grandes mestres da Teoria dos Jogos citada no artigo, aos que tiverem interesse em aprofundar a leitura.

 

¹ Existe uma vasta quantidade de material, incluindo papers, seminários, vídeos, livros e até blogs, deixamos áqueles interessados a liberdade de escolha e busca por este instigante tema, o qual é tão extenso que nos permitiu apenas breve citação por sua relevância. Abaixo, dois autores fundamentais da teoria e seus textos seminais sobre o tema.

*NEUMANN, J. V; MORGENSTERN, O. Theory of games and economic beharvior, 1943.Edição atual para aquisição disponível em http://press.princeton.edu/titles/7802.html

*NASH, J. F.  Equilibrium points in N-person games. 1950. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1063129/

** Recomenda-se sobre estratégias em mercados, o famoso título “Estratégias do Oceano Azul” do autor W. Chan Kim.

*** Recomenda-se sobre modelos de negócios, a excelênte leitura do Business Model Generation de Alexander Osterwalder & Yves Pigneur.